Uma história sobre carros que remete à infância
  • g+1

Rodas que estão ficando cada vez mais quentes

Por Clay Nichols

Ironicamente, as notícias que vêm da SEMA sobre a produção de um modelo Camaro Hot Wheels trouxeram lembranças de um dia que passei limpando a casa com meu filho mais novo. Eu fiquei paralisado. Costumava ficar bem ao ver dois sacos pretos lotados de quebra-cabeças e jogos de tabuleiro com metade das peças faltando. Mas agora o meu ritual anual de limpar as caixas de brinquedos e prateleiras antes das férias parecia ser uma parada forçada. Por causa de um engradado de carrinhos Hot Wheels.

Não podemos ficar nos apegando a coisas em nossa pequena casa, mas, olhando para a caixa, lembrei que para nossos dois filhos os Hot Wheels eram uma espécie de moeda de recompensa quando eles tinham entre 4 e 6 anos. A caixa azul meio cheia era um tipo de hodômetro, um marcador de visitas pacíficas ao supermercado, coragem em consultas médicas, leitura completa de livros.

Depois outra lembrança, mais recente, voltou - de algo verde e com ombros largos como o Hulk, um Hot Wheels brilhante ganha vida. Lembrei de estar no salão do automóvel de Detroit em janeiro passado, vendo o Camaro Hot Wheels Concept (inspirado por um dos Hot Wheels original lançado em 1968) e imaginando como ele seria capaz de transformar qualquer rua em uma pista de brinquedo.

Ficou claro que, para todos nós, meninos, grandes e pequenos, seria mais difícil de lidar com este desafio do que com armas de brinquedo quebradas ou helicópteros de controle remoto estragados. Mas não restava dúvidas de que alguns deles teriam que ir embora.

Assim como para muitas crianças, meu filho mais novo – que tem 8 anos – a caixa de brinquedos vem sofrendo a dura concorrência do Xbox. Novos kits de pista Hot Wheels chegam de tempos em tempos para renovar o interesse nos carros, mas eles não são mais infinitamente organizados em grandes estacionamentos imaginários, desfiles ou linhas de partida. Como os Hot Wheels são coisas que os meninos nunca vão deixar de lado, posso continuar mantendo alguns – mas temos que praticar o desapego.

Peguei uma pequena vasilha de plástico, provavelmente um quinto do tamanho da caixa - e dei a meu filho uma tarefa. Ele pode ficar com todos os carros que couberem na caixa menor. O restante será dado à caridade para que outras crianças possam brincar. Ele aceita o acordo e começa a selecionar.

Pergunto-me imediatamente que tipo de critério que ele vai usar para fazer suas escolhas. O processo torna-se uma espécie de teste de personalidade automotiva. Exóticos, muscle cars, caminhões, carros de corrida estão todos representados na caixa. Em que tipo de apaixonado por carro ele está se transformando?

Eu me pergunto que tipo de influência que eu tive. Eu gosto de trocar marchas. Gosto de potência e desempenho. Eu não sou um cara que teria um caminhão. Não gosto de modelos exóticos com preços absurdos. Minha fantasia Hot Wheels é praticamente definida pelo conceito que eu vi em Detroit. Mas será que os meus gostos se refletem de alguma forma em suas escolhas?

Ele começa o processo. Os Hot Wheels em nossa casa não são colecionáveis, são brinquedos, por isso alguns estão sem as rodas, sem algumas pecinhas ou com os para-brisas rachados. Estes são os primeiros a ir. Alguns mais baratos sem marca escapam sorrateiramente da seleção e entram na garagem. Ou para o ferro-velho.

Quando ele acaba, os sobreviventes se alinham. Fico satisfeito ao ver que mais de três quartos são de American Muscle Cars - algumas réplicas, alguns modificados da maneira que só os designers com espírito de criança de laboratórios secretos da Mattel poderiam fazer. Dois Camaros e um Corvette preenchem o requisito (nenhum modelo original de 1968, infelizmente).

As cores chamativas, o para-lama vistoso, as rodas de liga são irresistíveis. Eu tenho que inspecionar cada carro.

Antes que eu perceba, meu filho e eu estamos no chão, fazendo corrida com nossos favoritos, arrumando os quebrados, lançando voos que desafiam a física. Eu olho para meu filho e me pergunto "e se?". E se um carro Hot Wheels fosse mais do que um conceito? Poderia, algum dia, uma dessas pequenas fantasias estar estacionada do lado de fora esperando por nós dois para pintar e bordar naquela pista de corridas laranja?

Agora, os designers e engenheiros da Chevrolet responderam minhas perguntas - um SIM azul cintilante com labaredas e o emblema Hot Wheels!

Clique aqui para ver o Chevrolet Hot Wheels 2013.

As marcas mencionadas nesta história são mantidas por seus respectivos proprietários.

Argila Nichols é cofundador e editor da dadlabs.com, autor, dramaturgo e palestrante, um feliz marido e pai de três filhos.