Fábrica de São Caetano do Sul é capaz de produzir mais de 50 carros por hora, quase um por minuto

Fábrica da GM em São Caetano do Sul atinge marca de 6 milhões de carros produzidos

• Volume acumulado em 84 anos é recorde para a empresa, que possui ao todo cinco fábricas no Brasil


SÃO CAETANO DO SUL
- O complexo industrial da GM em São Caetano do Sul (SP) comemora neste mês de agosto 84 anos de atividades e a marca de 6 milhões de veículos produzidos, atingida por um sedan compacto Cobalt.

Localizada em um terreno urbano de 290,5 mil m², a fábrica tem capacidade produtiva atual superior a 50 carros por hora, mas começou a operar por volta dos anos 1930 montando alguns poucos furgões por semana e de forma quase artesanal, devido a tecnologia disponível à época.

A implantação da General Motors no Brasil estava ligada à estratégia da corporação de origem norte-americana, de aproveitar as novas oportunidades que surgiam no exterior, onde os modelos Chevrolet tornavam-se cada vez mais populares.

O primeiro automóvel de passeio produzido em São Caetano do Sul foi um Opala quatro portas ano 1968. De lá para cá, o complexo industrial passou por diversas expansões para poder acompanhar o processo de ampliação e modernização da linha Chevrolet no país.

Vários outros ícones da indústria automobilística nacional saíram desta fábrica, como o Monza, o Vectra e o Omega. Todos carros que marcaram época pelo seu pioneirismo.

Atualmente em São Caetano do Sul são produzidos os modelos Cruze (versões hatch e sedã), Spin, Montana e Cobalt, destinados também para exportação. Maquinários robotizados de última geração ajudam a garantir os níveis globais de qualidade exigidos pelo mercado.

A empresa possui cinco fábricas no país, sendo duas destinadas à montagem de veículos. A de Gravataí, no Rio Grande do Sul, inaugurada em 2000, atingiu no mês passado a marca de 2,5 milhões de carros produzidos. Já de São José dos Campos, em São Paulo, saíram até então pouco mais de 5,6 milhões de unidades.

No início das operações em São Caetano do Sul, GM montava carros com peças trazidas dos EUA

Sustentabilidade

No complexo de São Caetano do Sul (SP), desde 1989 um sistema de reuso do efluente industrial é utilizado nos processos industriais, evitando o consumo de água potável.

Nos últimos meses, processos adicionais também estão recebendo água de reuso, tais como torres de resfriamento e a preparação de produtos químicos dos processos de pintura.

Estes sistemas possibilitaram o reuso de mais de 225 milhões de litros desde 2011, sendo 22 milhões nos primeiros 6 meses de 2014.

As iniciativas de melhoria contínua aplicadas à gestão de consumo eficiente de água resultaram em uma redução média de 73% do consumo de água por veículo produzido.

O trabalho contínuo de melhoria nos processos ainda fez a GM reduzir, entre 2005 e 2013, 60% o consumo médio de energia elétrica para produzir um carro no país.

Alguns fatos históricos

  • Em agosto de 1930 é inaugurada oficialmente a fábrica de São Caetano do Sul como alternativa aos galpões que a GM alugava no bairro do Ipiranga (SP) para confeccionar furgões.
  • Em 1934, saía da fábrica de São Caetano do Sul o primeiro ônibus com carroceria de madeira fabricado no Brasil.
  • Em meados da década era visível a consolidação da industrial em São Caetano do Sul, agregando à sua volta um número crescente de casas, ruas e bairros onde moravam boa parte dos trabalhadores. De área desabitada, o local virou um município, emancipado em 1948.
  • Durante o período da II Guerra Mundial, a GM participou do esforço militar na produção de veículos e material bélico, tendo sido produzidos mais de 2.000 veículos a gasogênio para uso civil.
  • Os ônibus tornaram-se, nos anos do pós-guerra, uma das demandas prioritárias do país como transporte de massa. Em 1948, a GM produziu o primeiro deles com carroceria inteiramente metálica. Nesta época, o país possuía uma frota de 500 mil veículos – média de um para cada 100 pessoas.
  • Em 1956 a companhia iniciou o programa pioneiro de nacionalização de caminhões.
  • Em novembro de 1968, é lançado o primeiro carro de passageiros Chevrolet produzido no Brasil, o Opala, com quatro portas. Para montá-lo, a fábrica posou por uma ampliação.
  • Em setembro de 1979, a unidade de São Caetano do Sul comemora a produção do veículo de número 1,5 milhão.
  • Em 1982, o complexo inicia a confecção do Monza, que poucos anos depois se tornaria o modelo mais vendido do mercado nacional, um feito não alcançado por nenhum outro carro de sua categoria até os dias atuais.
  • Em abril de 1992, o Opala sai de linha, após 23 anos ininterruptos de produção, com a marca de quase 1.000.000 de unidades produzidas, dando lugar ao Omega.
  • No mesmo ano, a fábrica de São Caetano do Sul coloca em funcionamento a sua estação de tratamento de efluentes industriais oleosos.
  • Em novembro de 1993, durante a visita do então presidente mundial da General Motors Corporation, Jack Smith Jr., a GM comemora a produção do Chevrolet número 5.000.000, um Vectra GSi, versão esportiva do modelo recém-lançado e também feito na unidade do ABC.
  • Em setembro 1998 é o Kadett que deixar de ser fabricado em São Caetano do Sul para o início da produção do Astra, que seguiu em linha até 2011, assim como o Vectra.
  • Em 2008, com mais uma expansão da fábrica, novos funcionários precisaram ser contratados e é aberto um terceiro turno de produção.
  • De 2010 a 2011, a unidade de São Caetano do Sul passou por uma grande reformulação e iniciou a fabricação da Nova Montana, do Cobalt e do Cruze Sedã.
  • Em 2012 o Spin e o Cruze Hatch chegaram para completar a nova linha produtos da fábrica.
  • Em 2014 o complexo atinge 6 milhões de carros produzidos, um recorde histórico para a GM no Brasil.