Campanha promovia os clássicos Monza, Opala/Diplomata e Chevette 1987 ao som "É no silêncio de um Chevrolet", do genial Zé Rodrix
  • g+1

Saudade do Zé

“Meu coração bate mais alto dentro de um Chevrolet...” Essa frase foi cantada, e muito, no final dos anos 80. Há comerciais que entram em sua cabeça e por lá ficam para sempre, em alguns casos por serem apenas espetaculares. E o criado para promover os clássicos Monza, Opala/Diplomata e Chevette, em 1987, é desse tipo, algo facilmente compreendido quando sabemos que por trás do verso destacado acima, o mais marcante de um videoclipe de um minuto e meio com o título É no silêncio de um Chevrolet, estava o genial Zé Rodrix.

Lenda da música brasileira, ele fez história ao criar o termo rock rural, que acabou por batizar o gênero que criou e o consagrou ao lado de seus históricos parceiros Sá e Guarabyra. O marco zero desse estilo, porém,se dá mesmo quando Zé escreve a canção “Casa no Campo”, sucesso imediato em 1971 na voz de Elis Regina.Logo nos primeiros versos da canção surgira o termo: “Eu quero uma casa no campo/Onde eu possa compor muitos rocks rurais/E tenha somente a certeza/Dos amigos do peito e nada mais...” E, assim, estar junto com os amigos do peito era o próximo passo de sua gloriosa carreira, que deslanchou no trio Sá, Rodrix e Guarabyra.

A interpretação da Pimentinha tornou-se, evidentemente, histórica, mas certamente foi apenas mais um empurrão para o sucesso que era destino inevitável. Entre as muitas características das músicas de Zé Rodrix estava a capacidade de criar, com versos simples, composições sofisticadas, graças às melodias que misturavam ritmos regionais, ecos do tropicalismo, folk, country e rock.

Suas músicas embalaram gerações, e os versos do jingle que fez nos 80 embala a memória dos fãs da Chevrolet até hoje. Neste ano, faz cinco anos que Zé Rodrix morreu. Sua dolorida ausência mereceu inúmeras homenagens – a Chevrolet, por exemplo, promoveu em uma campanha do Camaro de 2011 a regravação do tema de Zé Rodrix, que ainda hoje é lembrado, na voz de Frejat e outros músicos contemporâneos. Essa campanha marcou mesmo a história, como tudo que ele fez. Neste ano, completamos cinco anos sem o Zé e, para celebrar a eternidade de sua arte, reveja o histórico comercial.

https://www.youtube.com/watch?v=2mhj7eX15q0